Jovem Pan Mitos e Fatos - Alimentação do Futuro

Dia 30 de Maio - Tivoli Mofarrej

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Patrocínio:

 

Realização:

Apoio:

 

Perda e desperdício alimentar: de quem é a culpa?


O Brasil é o principal produtor de commodities do planeta, responsável por grande produção e exportação de proteína animal, soja, milho, laranja, café, algodão, entre outros. Essa representatividade nos obriga a pensar nos próximos passos. E não estamos falando em semanas ou meses, mas sim na alimentação das próximas décadas.

Em 2050, segundo estimativas da ONU, serão 10 bilhões de pessoas na Terra. Temos, portanto, a missão de nos prepararmos para esse futuro.

Seremos capazes de produzir alimentos em quantidade suficiente para essa população? O equilíbrio entre tecnologia, sustentabilidade e saúde será alcançado? Qual o papel das grandes empresas nesse processo? Os governos vão criar condições para que as cadeias produtivas cresçam de forma sustentável? Seremos capazes de mudar os conceitos e deixar claro que alimentação é sinônimo de saúde?

Estes são apenas alguns dos questionamentos que a Jovem Pan propõe para serem debatidos no fórum Mitos & Fatos: Alimentação do Futuro. Vamos repensar o presente e preparar um futuro melhor.

Programação

Roberto Rodrigues

Coordenador do Centro de Agronegócios da FGV

O desperdício dos alimentos tem sido apontado no mundo inteiro como um gigantesco e imenso problema. A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) registra em 30% a quantidade de comida que vai para o lixo todos os anos no mundo.

Eduardo Leduc

Vice-presidente BASF

Marcio Milan

Superintendente da ABRAS

Francisco Turra

Presidente executivo da ABPA

Anita Gutierrez

Doutora em Engenharia Agronômica - CEAGESP

Roberto Rodrigues

Mediador

A população mundial cresce na velocidade de cerca de 4 novos nascimentos por segundo. Caminhamos a passos largos para a marca dos 10 bilhões de habitantes até a metade do século.

Ladislau Martin Neto

Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa

Marcio De Maria

Diretor de Processing da Tetra Pak Brasil

Geraldo Berger

Diretor da Monsanto

Luiz Pretti

Presidente Cargill

Caio Carvalho

Mediador

A tecnologia hoje é responsável por 70% do êxito de um produtor rural, acima dos clássicos fatores de terra e trabalho. Da mesma forma, a tecnologia agroindustrial significa fator crítico de sucesso na qualidade dos alimentos e na sua oferta abundante e capilar.

Luiz Madi

Presidente ITAL

Janaina Rueda

Cozinheira pela educação

Edmundo Klotz

Presidente da ABIA

Marcelo Cristianini

Coordenador de Pesquisas em Alimentação e professor da Unicamp

José Luiz Tejon

Mediador

O alimento será a saúde do futuro. O presente já é o resultado desse futuro. Os experimentos já estão aqui. Especialistas estudando os alimentos biofortificados desde o solo, a semente e o plantio.

Arnaldo Jardim

Secretario da Agricultura

Luiz Roberto Guimarães

Professor da Universidade Federal de Lavras

Gisela Solymos

Gerente geral do CREN

Filippo Pedrinola

Endocrinologista

Xico Graziano

Mediador

Abertura Oficial
 

Roberto Rodrigues
Coordenador do Centro de Agronegócios da FGV

Palestra de Abertura
 

Ronaldo Caiado
Senador pelo Estado de Goiás

Encerramento
 

Arnaldo JardimSecretario da Agricultura

Painel 1: Desperdício


O desperdício dos alimentos tem sido apontado no mundo inteiro como um gigantesco e imenso problema. A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) registra em 30% a quantidade de comida que vai para o lixo todos os anos no mundo.

Estudo recente apoiado confirma que mais da metade do tomate no Brasil vira desperdício, e que também jogamos fora cerca de 380 mil toneladas de batatas todos os anos.

Esses são apenas alguns exemplos. Em todas as cadeias produtivas parcelas significativas dos alimentos não chegam aos pratos, e parte deles ainda é desperdiçada depois dos pratos, no que é perdido nas casas, restaurantes, e nos descartes dos supermercados.

Como desperdiçar menos? Quais os papeis do setores público e privado e do cidadão? Qual a missão da educação nesse contexto?

A alimentação do futuro é também uma guerra total ao desperdício ao longo de toda a cadeia agroprodutora.

Palestrantes:

Eduardo Leduc

Vice-presidente BASF

Marcio Milan

Superintendente da ABRAS

Francisco Turra

Presidente executivo da ABPA

Anita Gutierrez

Doutora em Engenharia Agronômica - CEAGESP

Roberto Rodrigues

Mediador

Painel 2: Segurança


A população mundial cresce na velocidade de cerca de 4 novos nascimentos por segundo. Caminhamos a passos largos para a marca dos 10 bilhões de habitantes até a metade do século.

Assegurar alimentos em quantidade e qualidade para toda a população mundial significa um gigantesco desafio de políticas públicas, do uso da ciência e da tecnologia nos processos, na rastreabilidade, na produtividade nas áreas agricultáveis, e nos processos agroindustriais, bem como nos desafios da logística, armazenagem, preservação e distribuição de alimentos para os distintos segmentos sócio-econômicos globais.

A legislação brasileira funciona a favor ou contra a segurança alimentar? A governança das cadeias produtivas é o novo modelo de gestão do alimento no mundo? Quais os benefícios e prejuízos das barreiras protecionistas para a segurança alimentar? Como a ciência será percebida em cada grama de alimento do futuro? Teremos segurança em modelos não científicos?

Palestrantes:

Ladislau Martin Neto

Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa

Marcio De Maria

Diretor de Processing da Tetra Pak Brasil

Geraldo Berger

Diretor da Monsanto

Luiz Pretti

Presidente Cargill

Caio Carvalho

Mediador

Painel 3: Tecnologia


A tecnologia hoje é responsável por 70% do êxito de um produtor rural, acima dos clássicos fatores de terra e trabalho. Da mesma forma, a tecnologia agroindustrial significa fator crítico de sucesso na qualidade dos alimentos e na sua oferta abundante e capilar.

Pesquisadores no campo da genética já abordam o futuro do alimento como o resultado da arte do "gene design". E, ao mesmo tempo, progridem as demandas pelos orgânicos, biodinâmicos, pelo bem estar animal, pela rastreabilidade de ponta a ponta, e pela transparência de todos os processos.

A invenção de sensores, DRONES, bots e aplicativos, criam um mega observatório de nano detalhes, que amplificam e revelam para cada cidadão o que no passado não conseguíamos cheirar, ver, sentir, ouvir...

A tecnologia transforma a produção e a cultura da nutrição.

Como será esse alimento do futuro, resultado da alta tecnologia? Serão os produtores rurais da mesma forma globalizados? Como a tecnologia viabilizará micros e pequenos empreendedores ao longo de todas as cadeias produtivas? O cooperativismo ocupa qual papel na dimensão da dignidade tecnológica para todos?

Existira a não-ciencia, a não-tecnologia? O que será o alimento natural e puro do amanhã?

Palestrantes:

Luiz Madi

Presidente ITAL

Janaina Rueda

Cozinheira pela educação

Edmundo Klotz

Presidente da ABIA

Marcelo Cristianini

Coordenador de Pesquisas em Alimentação e professor da Unicamp

José Luiz Tejon

Mediador

Painel 4: Saúde


O alimento será a saúde do futuro. O presente já é o resultado desse futuro. Os experimentos já estão aqui. Especialistas estudando os alimentos biofortificados desde o solo, a semente e o plantio.

Toda uma industria mundial de fertilizantes assume um patamar mais elevado no seu posicionamento empresarial, muito alem do somente agronômico, fala agora de nutrientes para a vida.

O mundo das proteínas animais oferece curiosidades como o alimento produzido sob o método kosher, para a população judaica, ser consumido nos estados unidos, por 92% de consumidores não judeus.

Da mesma forma, no contexto do segmento halal, muçulmano, com quase 2 bilhões de pessoas no mundo buscam confiança e saudabilidade nessas propostas.

As doenças, a obesidade, a desnutrição, a qualidade de vida será cada vez mais associada e vinculada à educação alimentar. O ético se unira ao estético na nova alimentação do futuro.

Menos será mais? A diversidade alimentar fará parte da nova bula da saúde? Remédios serão substituídos por dietas inteligentes? Assuntos como antibióticos, agroquímicos, sementes geneticamente modificadas, lavouras extensivas e intensivas, o clima, a sustentabilidade farão a nova pauta do alimento consciente? Haverá uma agricultura vertical nas grandes cidades, e o verde como sinônimo de saúde?

O que o cidadão de 3017 terá como seu alimento, e como será produzido 100 anos adiante?

Palestrantes:

Arnaldo Jardim

Secretario da Agricultura

Luiz Roberto Guimarães

Professor da Universidade Federal de Lavras

Gisela Solymos

Gerente geral do CREN

Filippo Pedrinola

Endocrinologista

Xico Graziano

Mediador

Como Chegar


Local:
Tivoli Mofarrej - Alameda Santos, 1437
Jardim Paulista - SP
Próximo à estação Trianon Masp do Metrô