Dia 30 de Outubro, Palácio Tangará

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Como podemos aprender com o empreendedorismo de jovens e startups?


Ser dono do próprio negócio é o objetivo de muitos, mas até pouco tempo atrás era uma condição possível para poucos. Hoje, ter o próprio negócio é viável para um número bem maior de pessoas, especialmente para
aqueles que têm a capacidade de visualizar um nicho de mercado, de criar produtos ou soluções jamais pensados antes, e, acima de tudo, de transformar ideias em projetos e estes em negócios.

Apesar das dificuldades políticas e econômicas, o Brasil tem sido um celeiro para empreendedores. Pouco a pouco o incentivo ao desenvolvimento de uma “cultura empreendedora” se estabeleceu. Universidades e empresas se uniram para fomentar um ambiente em que “pensar fora da caixinha” resulta em bons negócios e pode até ter impacto social.

Mas quais os desafios para a formação de um ambiente que incentiva e dá base para o empreendedorismo? Quem é o empreendedor brasileiro? Como a crise pode impulsionar ou frear o desenvolvimento das jovens empresas? O que as startups brasileiras precisam aprender com as startups estrangeiras? Como a burocracia, marca do atraso brasileiro, impede o avanço do empreendedorismo?

Painel 1: Pedagogia empreendedora: empreendedorismo se aprende na escola?


Qual o papel da escola na formação de cidadãos que, amanhã, serão responsáveis por conduzir a economia do país? Empreendedorismo é assunto para crianças? Se não trabalhamos o assunto na infância, como cobrar do adulto uma mentalidade empreendedora?

São perguntas que precisam ser respondidas hoje para que possamos formar uma nova geração de empreendedores. Entre os desafios para a concretização dessa mudança estão a reformulação das propostas curriculares e a educação dos pais para que entendam como o assunto pode beneficiar os filhos.

Painel 2: Inovação e empreendedorismo:


Renovar é preciso e a renovação é fruto da compreensão de que é sempre possível aprender algo novo. As startups não têm medo de errar, não têm medo de mudar. E as grandes empresas começam a perceber que é preciso aprender (e muito!) com as startups. Quais são as lições que as startups ensinam para as grandes corporações?

Como a sinergia entre ambas pode resultar em um novo ambiente de negócios, com oportunidades e crescimento para pequenos e grandes empresários?

Painel 3: Burocracia X Eficiência


Você sabe quanto tempo e quanto custa para abrir uma empresa no Brasil? Quando souber a resposta, provavelmente pensará duas vezes antes de investir no próprio negócio. A burocracia é uma das piores doenças do Brasil e atrapalha o empreendedorismo.

Como mudar essa realidade? Quais são as alternativas para quem quer investir, mas não consegue vencer a burocracia?

Painel 4: Empreendedorismo Social: as empresas podem mudar o mundo?


Para alguns empreendedores, a empresa é só o meio para que se possa contribuir com a solução para algum problema. O fim, no caso, é a mudança positiva que o trabalho desta empresa promoveu.

Em vários países o Empreendedorismo Social é uma realidade que já produz frutos significativos. Prova de que negócios lucrativos podem, sem sombra de dúvidas, resolver problemas sociais por meio da prestação de serviço ou da venda de produtos.

Mas o que é preciso para que o empreendedorismo social aconteça? Quais são os limites entre o negócio e o impacto social?

Como Chegar


Local:

Palácio Tangará

R. Dep. Laércio Corte, 1501
Vila Andrade, São Paulo
SP, 05706-290, Brasil