Navegação de Posts

Doenças do diafragma

A paralisia diafragmática é usualmente secundária à paralisia do nervo frênico (nervo responsável pela movimentação do diafragma, ou seja, a membrana que separa a cavidade torácica e abdominal), por infiltração decorrente de tumores como o carcinoma brônquico ou esofágico, ou ainda por complicação de cirurgia cardíaca. Infecções ao diagrama, como abscesso subfrênico ou pneumonia basal, também causam redução da incursão diafragmática; derrames pleurais subpulmonares podem simular elevação frênica. A paralisia com duração maior que 6 meses leva à atrofia muscular. Os achados radiológicos de paralisia de paralisia incluem elevação do hemidiafragma, deslocamento cranial (para cima) do conteúdo abdominal, e excursão paradoxal (ao contrário do normal), que fica acentuada à inspiração profunda.

O que são hérnias do diafragma?

As hérnias diafragmáticas podem ser classificadas de acordo com a localização do defeito muscular. Podem ocorrer anteriormente, no forame de Morgagni, póstero-lateralmente, no forame de Bochdalek, ou no hiato esofágico. Lesões traumáticas também podem resultar em herniação do conteúdo abdominal para o tórax, o que ocorre com maior incidência à esquerda.

Como definir a hérnia de Bochdaleck?

É um defeito congênito raro da face póstero-lateral do diafragma, com incidência estimada em 1 a cada 3.600 nascidos vivos. Alterações  respiratórias no período neonatal são comuns e, apesar dos reparos cirúrgicos satisfatórios, há alta mortabilidade relacionada à hipoplasia pulmonar (mal desenvolvimento do pulmão) e aumento da resistência vascular pulmonar. A radiografia do tórax pode demonstrar a elevação da hemicúpula diafragmática, com múltiplas alças intestinais no hemitórax afetado, e o desvio mediastinal contralateral (desvio do mediastino para o lado oposto da hérnia). Achados associados, relacionados a um pior prognóstico incluem: presença de pneumotórax contralateral, ausência de pulmão contralateral expandido e o estômago intratorácico.

Como definir a hérnia de morgagni?

Consiste na herniação de alças intestinais ou aumento através do trígono esternocostal (trígono de Larrey), de localização retroesternal (atrás do esterno). São 10 vezes mais comuns à direita. A tomografia computadorizada confirma os achados da radiografia simples e é particularmente útil nos casos em que há somente herniação da gordura presente no abdome, chamada omento.

Como explicar a ocorrência da hérnia hiatal?

Alargamento do hiato esofágico pode resultar em prolapso (saída da posição original para cima) parcial do estômago para o mediastino. Existem dois padrões de herniação: por deslizamento ou paraesofágica. A radiografia de tórax pode mostrar opacidade retrocardíaca (atrás do coração) ou apenas aparente elevação do hemidiafragma. O esofagograma confirma o diagnóstico e caracteristicamente mostra constrição em ampulheta do estômago na abertura hiatal (orifício do diafragma por onde passa o esôfago). Ocasionalmente, grandes hérnias são de difícil distinção de eventração hemidiafragma. A tomografia torácica pode ser útil nesses casos, definindo a relação entre os pilares do diafragma medial e o estômago.

Como explicar ou definir a eventração diafragmática?

É uma rara anormalidade, de causa desconhecida, em geral congênita, como se o músculo se transformasse em uma camada fina, delgada e flácida de tecido fibroso. Quando presente no nascimento pode provocar sintomas graves nos casos onde se nota uma grande migração das vísceras abdominais para o tórax. Quando diagnosticada em adultos jovens ou pacientes idosos, não causa sintomas durante a vida toda, e só deve ser indicada a correção cirúrgica em pacientes nos quais desenvolvem sintomas importantes de insuficiência respiratória ou infecções pulmonares de repetição.

Essas e outras informações sobre doenças do diafragma você pode encontrar no livro ‘Saúde – Entendendo as Doenças, a Enciclopédia Médica da Família’, de minha autoria em conjunto com o Dr. Paulo Kauffman.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • Samuel Brandão

    Depois de uma crise de cálculo biliar onde dei febre e senti falta de ar o médico pediu um Raio X do tórax e no exame deu elevação da hemicúpula frênica direita, depois ele pediu uma tomografia. Ele disse que meu fígado está normal. O que pode ser?