Navegação de Posts

Tudo sobre: Transtorno de movimento esteriotipado

130281-425x282-iStock_000014068263XSmallConhecido também como transtorno de estereotipia ou do hábito. A criança apresenta um comportamento motor específico, diferente dos tiques (como na síndrome de Tourette), ou do ato de arrancar os cabelos (como na tricotilomania) ou atos repetitivos próprios dos transtornos globais do desenvolvimento (como no autismo).

Quais são os movimentos estereotipados mais frequentes?

Os movimentos podem ser acenos com as mãos, balançar o corpo, brincar com as mãos, bulir com os dedos, rodopiar objetos, bater a cabeça (mais em meninos), morder-se (mais em meninas) ou golpear partes do próprio corpo.

Por vezes, a criança pode ter um comportamento autodestrutivo na execução dos movimentos, causando lesões em si própria; por exemplo, bater a cabeça na parede ou golpear-se com um objeto, provocando cortes, sangramentos ou contusões. A criança eventualmente tenta conter esse comportamento, mantendo as mãos dentro da camisa, na calça ou nos bolsos. Quando os pais pedem que solte as mãos, os movimentos estereotipados retornam.

Que crianças têm esse transtorno?

O comportamento motor repetitivo, sem função e aparentemente intencional, costuma interferir nas atividades normais da criança, mesmo quando não provoca lesões. Ocorre preferencialmente nas crianças com retardo mental e pode iniciar-se após evento externo estressante. Com frequência, atinge seu auge na adolescência, podendo declinar aos poucos. O tipo de ato motor pode mudar, fazendo que o paciente deixe de morder-se e passe a bater a cabeça.

Após avaliação, o tratamento envolve medidas de contenção física como uso de protetores na cabeça e medicamentos.

Essas e outras informações sobre transtorno de movimento estereotipado você pode encontrar no livro ‘Saúde – Entendendo as Doenças, a Enciclopédia Médica da Família’, de minha autoria em conjunto com o Dr. Paulo Kauffman.

Publicidade
Publicidade
Publicidade