Então vamos relembrar Luma de Oliveira? Há vinte anos, uma das eternas musas do carnaval carioca, Luma de Oliveira passou pela Sapucaí com uma coleira. Nela se lia:  Eike. Foi uma homenagem ao então marido Eike Batista que polemizou no desfile da Tradição, em 1998.

A este ano, Marisa Orth fez a Magda no desfile pela Unidos da Tijuca. Ela lembrou sua famosa personagem, esposa de Caco Antibes em Sai de Baixo, interpretado pelo Miguel Falabella, o homenageado da escola. E tinha coleira também, com o nome Caco, e com a benção de Luma, que teria autorizado a atriz a fazer a homenagem.

@miguelfalabellareal 💙 #carnaval2018 #unidosdatijuca

Uma publicação compartilhada por Marisa Orth (@marisaorth) em

Quem também prestou homenagem à Luma de Oliveira e sua fantasia foi Sabrina Sato. Curtindo os desfiles de um camarote, ela estava toda trabalhada no gatinho, com sua coleira que dizia DUDA, em referência ao seu par, Duda Nagle. 

Sabrina justificou a fantasia dizendo que este ano escolheu prestar homagens, que fez isso se vestindo de Pinah, ícone da Beija-Flor, de Isabelita dos Patins, diva gay, e de Luiza Brunet.  E que estava feliz em homenagear Luma, rainha do Carnaval e de quebra, declarar o seu amor pelo Duda.

A homenagem foi super bem recebida.Ontem, Luma estava em uma das frisas de frente para a pista da Sapucaí, e disse que adorou a homenagem e que torce pelo casal.

Agora, quem estreou na Sapucaí foi Pabllo Vittar. Foi destaque em um carro da Beija-Flor, que encerrou os desfiles do Grupo Especial fazendo um paralelo entre o romance Frankenstein, que comemora 200 anos do lançamento, e probleminhas que rolam aqui no Brasil. Tivemos alas que retratavam a corrupção, desigualdade, violência e intolerâncias de gênero, racial, religiosa e por ai vai. Ela estava no carro O Abandono que representou a luta contra a intolerância de gênero e Jojo Todynho também ali representou a intolerância racial.

Não foi dessa vez que Pabllo foi rainha de bateria. Agora, se for pra falar de diversidade, a Salgueiro poderia levar dez! A escola escolheu como uma de suas musas Kamilla Carvalho, que é trans.  Linda, ela viveu na avenida a rainha de kush, uma antiga civilização africana. O tema da escola para este ano foi  Senhoras do ventre do mundo, lembrando a força das mulheres guerreiras.

Aquela pausa para entrevista do G1 !!!! #musa #empoderamentotrans #g1 #salgueiro

Uma publicação compartilhada por kamilla Carvalho (@kcarvalho4) em

Detalhes do casamento do ano: Príncipe Harry O rei das séries Ryan Murphy foi contratado pela Netflix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *